Faces

Amilna Estevão

  |   0 Comentários Partilhar Artigo no facebook

Há quase dois anos, Amilna Estevão conquistou um pequeno troféu para Angola, ao chegar ao terceiro lugar do pódio do Elite Model Look International. Inspirada pela também angolana Roberta Narciso, começou a dar os seus primeiros passos no mundo da moda.


Hoje com 16 anos, é uma das modelos mais requisitadas a nível internacional. Abriu a temporada a desfilar na New York Fashion Week, e o seu rosto estava em cada esquina da Big Apple. Fechou-a no Porto, na 37.ª edição do Portugal Fashion, onde tomou conta do Instagram da DIVO.


Foi ali, pelos bastidores. que nos sentámos à conversa com ela, numa das (poucas) pausas entre desfiles.


Começaste a tua carreira de modelo há quase dois anos, quando venceste o Elite Model Look Angola e ficaste em terceiro na final internacional do concurso. Que balanço fazes?


O Elite foi um concurso que me abriu muitas portas a nível profissional, e estou muito grata por todos os trabalhos que tenho feito desde essa altura. Tive uma oportunidade que nem todas as meninas têm, mas que gostavam de ter. Agora, estou só a dar o meu melhor.


Nessa altura davas também a tua primeira entrevista para a DIVO. O que é que mudou desde então?


Mudaram algumas coisas, mas não muito. Hoje, as pessoas conhecem-me mais, vêem mais o meu trabalho. Conheço mais países, mais pessoas, criadores, clientes… pessoas que, a cada dia, me mudam mais e me ensinam coisas novas e diferentes!


Este ano foi muito positivo para a tua carreira. Cruzaste-te com grandes nomes da indústria, durante algumas das principais semanas da moda e outros trabalhos. Foi difícil gerir essa evolução?


Ao início, sim. Ainda sou menor e, na primeira season [Outono/Inverno 2015, em Fevereiro], foi difícil andar com as outras meninas, lidar com o stress, com o trabalho. Às vezes trabalhas todo o dia, e nem tens tempo para comer ou para parar e fazer algo de que gostas. Mas no fim do dia, é tudo muito bom, porque conheço pessoas que, se calhar, não teria oportunidade de conhecer, como o Karl [Lagerfeld], a Adriana [Lima] ou a Lady [Gaga].


Como é que te sentiste tão perto de pessoas que, até há pouco tempo, te pareciam quase inatingíveis?


Também me senti famosa! [risos] Senti-me bem, senti-me muito entusiasmada, foi muito bom. Dá um friozinho na barriga, porque são pessoas que toda a gente quer conhecer e que, quando tu conheces, pensas ‘uau!’. Mas são pessoas normais, como nós!


De todos os desfiles que já fizeste, qual é que foi aquele de que gostaste mais?


Eu acho que foram todos, mas o que me deixou mais nervosa foi o de Alexander Wang, porque foi a minha primeira oportunidade, o meu primeiro desfile. Fiz o casting ao mesmo tempo que milhares de outras modelos, era uma grande concorrência. Gostei de todos, mas o que me deu mais frio na barriga foi o de Alexander Wang.



E qual foi a colecção de que gostaste mais?


Gostei muito da colecção da Lanvin (Primavera/Verão 2016), foi um show de cores. Adorei o vestido que levei, que contrastava com o meu tom de pele. Também gostei muito de Missoni, porque foi a primeira vez num desfile que mostrei o meu corpo de biquíni. Mas, para ser sincera, gostei de todas! Cada colecção com o seu estilo, com as suas cores. Até podiam ser as mesmas peças, mas tinham sempre algo diferente e eu gosto de coisas arrojadas!


Em pouco tempo fizeste muito sucesso. Como é que te sentes ao ver tudo isto acontecer tão rápido?


Eu sinto-me muito bem, muito honrada e feliz. Sinto que posso contar com o apoio e a ajuda de toda a gente, especialmente da minha família e dos meus amigos. Só good vibes!


Achas que o pensamento positivo é importante para as coisas correrem bem?


Sim, claro. Quando estás bem-disposta, alegre, confortável com as pessoas, acontece sempre tudo de bom. Seja uma boa conversa, diversão ou novas amizades, o que é sempre bom.


Percebe-se aqui nos bastidores que és uma pessoa muita querida por toda a gente. O que é que achas que atrai as pessoas em relação a ti?


Acho que é pelo meu jeito de ser. Sou uma pessoa normal, simples, mas sou engraçada, extrovertida. Brinco e falo com todo o mundo!


Que sonhos é que ainda gostavas de concretizar? Designers para quem pudesses desfilar, capas de revista que gostasses de fazer…


Gostava de fazer a Vogue Paris e a norte-americana, mas como capa! Gostava muito de ainda poder trabalhar com a Chanel, Dior, Louis Vuitton, Miu Miu. Gostava muito de poder fazer esses desfiles, porque ainda tenho muita coisa para mostrar.


E daqui a dez anos, onde é que te vês?


Não sei! Veremos, só o tempo o dirá!


Não gostas de fazer planos?


É bom fazer planos, mas também gosto de esperar pelo que o tempo traz. É sempre o melhor. Se não podemos ter uma desilusão.


És uma pessoa muito prática, fora das passerelles. O que é que mais gostas de vestir?


Gosto de andar casual. Uns ténis, umas calças de ganga, uma t-shirt preta e um blusão ou uma saia com uns ténis ou umas sandálias altas e um top. Gosto de me vestir de forma muito simples, que não dê trabalho.


E que cuidados é que tens com o corpo?


Para ser sincera, não uso nenhum produto específico, nem vou ao ginásio (eu ia e gostava muito de voltar…) e como de tudo um pouco.